Follow by Email

domingo, 26 de fevereiro de 2012

O Brasil, o Irã e a Sentença de Morte



Enquanto o mundo CRISTÃO se posiciona oficialmente através de suas autoridades nacionais, o governo do BRASIL que possui mais de 90% de sua população composta por CRISTÃOS prefere não se pronunciar sobre o fato do governo iraniano ter dado a sentença de morte ao Pr. Nadarkhani. 

A Casa Branca e o Departamento de Estado dos EUA publicaram pronunciamentos oficiais nesta última quinta-feira (23/2/2012) exigindo que o Pr. Youcef Nadarkhani seja imediatamente solto. Ele está preso no Irã desde Outubro de 2009.

Em 2009 o Pr. Nadarkhani foi preso em sua residência após solicitar que seus filhos não fossem obrigados a estudarem o Alcorão na escola pública onde eles estudavam. Nadarkhani solicitara que eles tivessem o direito de exercer sua fé cristã conforme estavam sendo ensinados desde crianças. Devido a este fato é que Nadarkhani foi preso e condenado por apostasia (ter deixado de ser muçulmano) e por evangelismo (por tentar ensinar a seus filhos a serem cristãos). Lembrando-nos que a Constituição Iraniana assegura o direito de fé cristã aos seus habitantes (eles especificamente citam que os cristãos tem seu direito garantido por lei).

Após sua prisão Nadarkhani foi torturado na cadeia, forçado a ler literatura islâmica a ouvir pregações muçulmanas e teve, no mínimo, 3 visitas oficiais de líderes muçulmanos que deram a “oportunidade” dele ser solto caso negasse sua fé em Jesus Cristo e se tornasse um defensor do islamismo. Em todos os casos o Pr. Nadarkhani ficou irredutível em sua fé cristã.


O caso de Nadarkhani tomou um rumo decisivo no último dia 21 de Fevereiro quando o Centro Americano para a Lei e Justiça (CALJ) anunciou que a Suprema Corte Iraniana tinha pulbicado a ordem de execução do Pr. Nadarkhani, que está preso por aqueles 2 motivos apresentados acima e que desde então não recebe a visita de sua família.

No dia 22 de Fevereiro o Ministério Verdades Atuais apresentou à imprensa um email comprovando que a corte iraniana realmente tinha dado a ordem para a execução.



Devido a isto, no dia 23 de Fevereiro a Casa Branca e o Departamento de Estado se pronunciaram defendendo Nadarkhani em sua luta pelo direito de exercer sua fé cristã no país onde ele nasceu.

De acordo com Jordan Sekulow, diretor executivo do Centro Americano para a Lei e a Justiça, os pronunciamentos da Casa Branca e do Departamento de Estado americano confirmam a certeza das autoridades americanas de que esta sentença de morte realmente foi dada ao pastor Nadarkhani.

Trechos do pronunciamento:

“Os Estados Unidos se posiciona em solidariedade com o Pastor Nadarkhani, sua família e com todos que procuram praticar suas religiões sem temer perseguições – um direito fundamental e universal dos Direitos Humanos” – (leia o pronunciamento completo em inglês clicando aqui)

“O julgamento e a sentença dada ao Pastor Nadarkhani demonstra que o governo Iraniano discorda totalmente da liberdade religiosa, e mais do que isto demonstra que o Irã continua violando os Direitos Humanos Universais aos seus cidadãos“. Também consta no pronunciamento.

O Departamento de Estado dos EUA também reitera o pedido de que Nadarkhani seja solto imediatamente, dizendo que está “profundamente chocado” com as notícias que dão conta de que a sentença de morte foi dada ao pastor iraniano.

“Esta perseguição governamental simplesmente porque alguém está seguindo uma fé diferente da maioria é algo comum no Irã, onde seguidores de várias tradições religiosas enfrentam tratamentos severos e humilhantes que violam seus direitos religiosos”. (leia o pronunciamento do Departamento de Estado clicando aqui - em inglês)

O Departamento de Estado dos EUA ainda acrescentou que: “se posiciona junto aos líderes religiosos e políticos de todo o mundo que estão condenando a decisão da suprema corte iraniana sobre Nadarkhani e exigindo que ele seja solto imediatamente“. 

Jordan Sekulow (do CALJ) aplaude esta nova força dada em atenção ao caso de Nadarkhani.

O pastor Nadarkhani recebeu apoio oficial desde 2009 quando a Secretária de Estado Americana Hillary Clinton, a União Europeia, 89 membros do Congresso Americano, o governo da França, da Inglaterra e do México se posicionaram oficialmente e publicamente exigindo que ele fosse imediatamente solto.


Infelizmente, até hoje (domingo 26/2/2012) ainda não houve um pronunciamento oficial do governo brasileiro exigindo de seu aliado iraniano que o pastor Nadarkhani seja solto imediatamente.

Aparentemente o mundo CRISTÃO se posiciona contra este absurdo feito em nome de Alá e contra os CRISTÃOS e o governo do Brasil prefere se aliar ao absurdo ato iraniano e contra os CRISTÃOS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário